O encontro de Katie Holmes e Costanza Pascolato

Katie Holmes: os bastidores e o vídeo do making of Katie Holmes for HStern Katie Holmes, cena um: Ainda sob impacto do desfile da Miu Miu, no último dia da temporada francesa de prét-à-porter, embarco de Paris para Nova York com outro compromisso top na agenda: dois dias de shooting para realizar, com uma equipe estelar _incluindo a atriz americana Katie Holmes de cover girl_, a nova campanha da H.Stern. Costanza Pascolato, Katie Holmes e Roberto Stern Mesmo para uma fashionista experiente, ainda há algo de muito divertido ao acordar às cinco e meia da manhã, dar uma olhada no Central Park em pleno amanhecer, decidir rapidamente o look e correr para estar às oito no Meat Packing District, no Milk Studio, endereço hype na cidade. Com direito a elevador privativo_com acesso direto ao estúdio e, assim, à prova de paparazzi_ mais uma vista privilegiada do parque High Line, sou recebida por um autêntico dream team que me faz pensar na versão ultrafashion da ideia de um melting pot contemporâneo. Costanza Pascolato, Katie Holmes e Roberto Stern Em cena, o Roberto (Stern, aqui no papel de meticuloso diretor artístico do projeto), o superfotógrafo britânico Tom Munro, o make up artist Matthew Van Leeuwan, holandês radicado em Los Angeles-Hollywood, o hair stylist Sebastian Scolarici, argentino que vive em Nova York, a stylist Jeanne Yang _ elogiada em recente trunk show para Barney´s _, mais uma equipe extraordinária de titulares e assistentes para o set design, com cuidados irretocáveis. Roberto Stern e Katie HolmesRoberto Stern e Katie Holmes Pontualíssima e com o mesmo jeito cool que lhe deu fama, Katie Holmes surge logo em seguida. Muito gentil, me parece quase tímida e não chega a ser uma surpresa quando revela que também acordou às cinco e meia. No caso dela, para correr, nadar e fazer ginástica antes do trabalho, que está prestes a começar. Tom Munro fotografa Katie HolmesTom Munro fotografa Katie Holmes

Katie, cena 2: Antes de se disponibilizar para a equipe _primeiro o make depois o cabelo_, Katie Holmes assume oficialmente a trilha sonora da cena, liga o computador, troca uma palavrinha com o marido via webcam e decide o que ouviremos ao longo do dia _tem Coldplay, Janet Jackson, Adele, a inglesa do momento, e até a boa vontade de agradar os anfitriões tocando algo latino que, Katie percebe no ato _e cancela imediatamente a audição_, não era música brasileira. Pés descalços o tempo todo, simpática na demonstração de intimidade profissional com a equipe, a atriz assume seu lugar no set e literalmente entra no clima. Com cenário, luz, atmosfera e ares de sonho _ tudo absolutamente perfeito_, Roberto se aproxima para, antes do primeiro clique, colocar a aliança e o anel quando é surpreendido por Katie, que faz graça ao deixar escapar um “I do”. Em livre tradução, equivale ao sim das noivas na hora H da cerimônia de casamento. Significava, para todos, que a garota estava se divertindo ali, com outras tiradas do seu humor ultra-sutil ao longo do dia. Ao ser fotografada com dois anéis de esmeralda, diz que aquela é uma imagem perigosíssima já que muitas mulheres vão usá-la para convencer os maridos de que os dois anéis precisam, tal e qual na foto, estarem sempre juntos, um em cada mão. Do jeito que ela diz, não haverá marido que ouse contestá-la, em especial depois um dia de trabalho que termina às sete da noite, com todo mundo visivelmente satisfeito com o esforço e o resultado do trabalho, que recomeça na manhã seguinte.

Katie, cena 3: No segundo dia de fotos a atriz chega ainda mais cedo do que na véspera e, para surpresa geral da equipe, traz, além de uma amiga, também a filha, a pequena Suri, provavelmente a criança mais observada por fashionistas do mundo inteiro _inclusive pela minha neta, Allegra, que vive em Florença, na Itália. Até identificar o ambiente e a atmosfera amigáveis, a menina se protege com uma fralda do rosto, que é como tem enfrentando os paparazzi mundo afora. Na medida que o trabalho vai acontecendo, ela se desarma e também se diverte. Com o segurança da família, o gaúcho Carlos, descubro não só que Suri é supermeiga como também que não é mais preciso, em Nova York, teclar zero-zero para fazer ligações internacionais antes do código DDI . (É só acionar a tecla + do telefone, simples assim). O trabalho continua e após mais algumas belas imagens de Katie by Munro, paramos para comer quando sou surpreendida, depois de algumas tentativas frustradas de iniciar uma conversa, com a pequena Suri temperando o meu prato de ovos mexidos com tabasco, muito tabasco, a exemplo do que fez com o prato da amiga de Katie. Me divirto com a situação, voltamos às fotos e constato que já é hora de seguir do estúdio direto para o aeroporto. Katie sai de cena especialmente para se despedir em mais uma demonstração de gentileza e, já no táxi, não resisto a tentação de ligar para Allegra para contar quem havia temperado a comida da “nonna”. Em plena sala de aula, ela diz que não pode falar comigo naquele momento e acabo informando às últimas de Nova York via text message. >>> Por: Costanza Pascolato Katie Holmes usa joias H.SternKatie Holmes usa joias H.Stern

PRA VER O VIDEO E ESTE SITE

http://www.youtube.com/watch?v=Q9Zc6LZ2D8I&feature=player_embedded

Fonte: http://www.adorojoias.com.br/katie-holmes-os-bastidores-e-o-video-do-making-of/

OS CRITICOS FORAM HORRIVEIS AO FALAR DO NOVO FILME DA KATIE QUE ESTREIA HOJE

AS CRITICAS PEGARAM PESADO COM O NOVO FILME DA KATIE

Ex By: Jorge Cruz Jr

É melhor perder o convite para O Casamento do Meu Ex By: Jorge Cruz Jr. Assistir a um filme propositadamente nonsense é uma das experiências mais divertida para amantes do cinema. Situações inusitadas ou atitudes extraordinárias de personagens rendem boas risadas, como no caso de “Borat” ou do início da carreira de Woody Allen no cinema. Porém, quando uma produção cinematográfica assume certa seriedade, exigindo respeito do espectador, a tolerância a absurdos diminui na mesma proporção. Dito isso, assistir “O Casamento do Meu Ex” da maneira pretendida por seus realizadores é frustrante ao extremo. O filme acompanha a reunião de sete jovens adultos outrora conhecidos como Os Românticos (o título original é justamente “The Romantics”), para o casamento de dois deles: Lila (Anna Paquin, da série “True Blood”) e Tom (Josh Duhamel, de “Transformers”). A trama é focada em Laura (Katie Holmes, de “Batman Begins”), que teve um caso com o noivo até o dia em que este pediu a melhor amiga dela em casamento. Ela está perdida por não entender o motivo de voltar de Nova York à pequena cidade onde foi criada e encarar olhares de todos na posição de dama de honra do casamento. Perdido não está só ela, mas os responsáveis pelo roteiro e pela escalação do elenco. Para começar, é nítido o equívoco de mostrar o olhar da ”outra” sobre a celebração. Na falta de amarrar as pontas, os escritores acabam por transformar Lila em vilã, por conta das atitudes estranhas tomadas por ela. A primeira, diga-se de passagem, é escolher a mulher com quem dividia o noivo para dama de honra. Quanto ao elenco, o equívoco é ainda maior. Por conta da vacuidade de Lila na trama, Anna Paquin, de tão apagada, perde espaço para Katie Holmes, uma das atrizes mais “sem sal” da história do cinema. Já Chip, personagem de Elijah Wood, é aquele bobo eternamente apaixonado pela amiga. Apesar de viver um clichê de roteiro de John Hughes, o ator é o único que ainda se esforça para entregar uma atuação digna. Esforço que se perde frente às intermináveis brigas de Tom com a noiva e a ex.

 Não faltam os coadjuvantes egressos da televisão, Dianna Agron (série “Glee”) e Adam Brody (série “The O.C.”), além de Malin Akerman (“Watchmen”). Mas o pior é reservado a Josh Duhamel, que sofre momentos constrangedores, principalmente nas passagens em que fica batendo boca com Katie Holmes. Por fim, o que dizer de Candice Bergen (de clássicos como “Quando é Preciso Ser Homem” e “Ânsia de Amar”) em uma ponta de luxo, com caras e bocas que contrariam toda sua carreira no cinema? Reuniões de família e amigos para casamentos, pessoas bêbadas discursando nas festas pré-cerimônia, cenas longas, entre outras coisas. Elementos que há um bom tempo os filmes norte-americanos reciclam com pouco a acrescentar. Isto é “O Casamento do Meu Ex”. Se algo sobra para destacar, são as peculiaridades de um roteiro sem rumo, sobre as atitudes sem nexo de um grupo de adultos. Eles passam o final de semana inteiro brincando de serem adolescentes irresponsáveis, deixando de lado o sentimento de outras pessoas e ignorando virtudes que a experiência sempre nos traz. ..

 A KATIE NAO E APAGADA E ESTE CARA E UM IDIOTA TOTAL

ACHO QUE OS CRITICOS SO GOSTAM DE FALAR MAL E NAO VER COMO O FILME E DIVERDADE

A KATIE E OTIMA E PRONTO